Países da América Central propõem aos EUA plano para limitar imigração

Lesley Wroughton, em Nova York, e Nelson Renteria, em San Salvadortr_rgb_pos_thumb

 

 

Imigrantes ilegais da Guatemala deportados dos EUA chegam ao aeroporto La Aurora, na Cidade da Guatemala. (Foto: Pakal Koban/Reuters)

Imigrantes ilegais da Guatemala deportados dos EUA chegam ao aeroporto La Aurora, na Cidade da Guatemala. (Foto: Pakal Koban/Reuters)

NOVA YORK (Reuters) – Os governos de Honduras, El Salvador e Guatemala apresentaram às autoridades norte-americanas um plano para estimular o crescimento econômico nos países pobres da América Central e conter o fluxo migratório para os Estados Unidos.

Ministros das Relações Exteriores dos três países apresentaram “O Plano da Aliança para a Prosperidade no Triângulo Norte”, que inclui projetos de desenvolvimento para estimular a criação de empregos e propostas para fortalecer as fracas instituições judiciais da região, de acordo com um funcionário do Departamento de Estado dos EUA.

Não houve detalhes imediatos sobre o plano, que foi elaborado com o apoio do Banco Interamericano de Desenvolvimento, ou o quanto isso pode custar.

Um grande fluxo de crianças desacompanhadas este ano na fronteira sudoeste dos Estados Unidos pressionou os Estados Unidos, México e países da América Central a buscar novas estratégias para reduzir o número de crianças e famílias que tentam entrar em território norte-americano.

“O plano visa concentrar os esforços nas comunidades de origem da população migrante, a fim de contribuir para a criação de melhores condições … e desencorajar a migração irregular que põe suas vidas e segurança em risco”, disse o ministro das Relações Exteriores de El Salvador, Hugo Martínez, de acordo com um comunicado. Autoridades mexicanas também tomaram parte da reunião que teve lugar durante a Assembleia Geral das Nações Unidas.

O México tem intensificado os esforços em sua fronteira sul para bloquear a passagem de migrantes da América Central que cruzam seu território a caminho dos Estados Unidos.


COMENTÁRIOS