Gol retoma voos entre Brasil e Chile nesta quinta, após dois anos

Primeiro voo acontece entre São Paulo e Santiago nesta quinta

tr_ahz_rgb_pos

RIO DE JANEIRO (Reuters) – A Gol iniciou nesta quinta-feira a retomada de voos entre São Paulo e Santiago, no Chile, dois anos após suspender a operação, dando continuidade à estratégia de ampliar sua oferta de voos internacionais.

A venda de passagens para a rota havia sido iniciada em meados de maio, quando a Gol informou que os voos começariam a partir desta quinta.

Na época, a empresa também afirmou que planejava elevar sua oferta de voos internacionais em até 8 por cento, com o aumento de frequências já existentes e criação de novas rotas.

Empresa havia suspendido operações ao Chile, mas, retoma agora com voos diários. (Foto: Reprodução / Facebook)

Empresa havia suspendido operações ao Chile, mas, retoma agora com voos diários. (Foto: Reprodução / Facebook)

“A Gol mantém a estratégia de aumentar gradativamente a sua presença no mercado internacional, reforçando a ampliação de suas operações”, disse a empresa em comunicado à imprensa nesta quinta.

No âmbito da estratégia, a companhia também divulgou em abril o lançamento de três frequências semanais entre o aeroporto Internacional de Viracopos (Campinas) com destino para Miami, nos Estados Unidos, com o primeiro voo marcado em 19 de julho.

Em maio, a empresa também iniciou um novo voo semanal entre Fortaleza (CE) e Buenos Aires, na Argentina.

CHILE

Os trechos entre o Chile e o Brasil serão diários e realizados com aeronaves Boeing 737-800NG, com preços a partir de 244 dólares, saindo de Santiago, e 435 reais, saindo de São Paulo.

Segundo a companhia aérea, o Chile é o segundo destino internacional mais procurado pelos passageiros em São Paulo, com predominância do público corporativo.

Citando dados do Ministério das Relações Exteriores, a Gol acrescentou que cerca de 70 empresas brasileiras atuam no Chile, e que, pelo outro lado, o Brasil é o principal destino dos investimentos chilenos no exterior.

(Por Juliana Schincariol)

Copyright by Reuters


COMENTÁRIOS