Casais árabe-israelense iniciam campanha contra conflito em Gaza

Sulome Anderson, americana metade libanesa, e o namorado Jeremy, de origem israelense e de família judia ortodoxa, postaram uma foto que está se transformando em uma campanha e símbolo de paz em meio ao conflito entre Israel e os palestinos. “Ele me chama de neshama, eu o chamo de habibi. O amor não fala a língua da ocupação”, defende.

Sulome Anderson e o namorado Jeremy (Foto: Reprodução/Facebook)

Sulome Anderson e o namorado Jeremy (Foto: Reprodução/Facebook)

Postada inicialmente no perfil de Sulome no Twitter, a foto foi retuitada mais de 1,6 mil vezes até a noite desta terça-feira (22), gerando adeptos. Em pouco tempo, outros casais de judeus e árabes reproduziram a imagem, e acampanha recebeu uma página do Facebook, que possui mais de 8 mil curtidas.

“Meu amigo jornalista sugeriu que publicássemos a foto porque ele acompanha de perto a maior dificuldade que enfrentamos em nossa relação: política. Jermy, meu namorado, que prefere que o sobrenome não seja divulgado, vem de uma família que se orgulha do apoio ao governo de Israel. Ele viveu alguns anos lá e tem dupla nacionalidade. Minha mãe é libanesa e, como jornalista, vivo parciamente em Beirute. Trabalhei em campos de refugiados no Líbano e vi a situação desesperadora que alguns palestinos vivem”, contou ela à revista “New York”.

Casais gays também aderiram à campanha. (Foto: Reprodução/Facebook)

Casais gays também aderiram à campanha. (Foto: Reprodução/Facebook)

O amigo jornalista do casal, conta que viu um ônibus ser bombardeado quando vivia em Israel. Seu pai foi sequestrado no Líbano, três meses antes de ela nascer por uma milícia xiita. Sulome, afirma que tem recebido inúmeras críticas e insultos, principalmente por parte de pessoas pró-Palestina. Ela está de viagem marcada para o Líbano, e diz que a mãe teme que a filha sofra retaliações após a repercusão da foto.

“Queremos espalhar a mensagem que nossa relação nos ensinou: ‘Nós não somos o que defendemos’”, diz.


COMENTÁRIOS